Posts tagged ‘hipertensão’

O sódio que você não vê…

Reduzir a quantidade de sal utilizada na cozinha já é de conhecimento de muita gente para prevenir a hipertensão (pressão alta). Mas o verdadeiro culpado não é o sal, é o sódio. A recomendação de sódio pela OMS é de 5 g diários. No sal de cozinha, cada grama de sal possui 400 mg de sódio e a recomendação é que não se utilize mais que 2g de sal por dia (2 sachês daqueles disponíveis nos restaurantes).  O problema é que a população brasileira utiliza o dobro desta quantidade e, além disso, ainda consome produtos industrializados cada vez mais (dados confirmados na última POF).

O sal é utilizado como conservante dos alimentos, assim a indústria o utiliza em excesso, o que contribui para aumentar ainda mais o risco de hipertensão. Mas a indústria utiliza outros aditivos que possuem sódio. Assim, é muito importante ficar atento às informações de ingredientes e à tabela nutricional destes alimentos, pois muitas vezes a informação voltada para o marketing do produto pode enganar o consumidor.

Já me deparei com um alimento industrializado que dizia “ZERO SAL” no rótulo, fiquei curiosa, porque era um produto que o sal é praticamente “obrigatório” entre os ingredientes. Assim, fui olhar a lista de ingredientes e, realmente, não havia sal, mas havia glutamato monossódico. Este aditivo é utilizado amplamente pela indústria para realçar o sabor dos alimentos e que, como o nome diz “sódico”, é derivado de sódio!  Zero sal sim, mas zero sódio? Passa longe disso!

Então, cuidado! Muitos industrializados utilizam o sal mais o glutamato monossódico, ou seja, sódio em dobro! Outros ingredientes que contém sódio (mas não aparecem com nome de sal) e também são bastante utilizados pela indústria: bicarbonato de sódio, ciclamato de sódio (principalmente produtos diet/ light/zero açúcar) e cloreto de sódio.

Produtos industrializados que contém grande quantidade de sódio são os caldos (de legumes, de galinha, de carne, etc).  Particularmente, acho a recomendação de uso dos fabricantes “bem salgadinha” e minha dica é: procure pelo caldo em pó, e coloque apenas um pouquinho daquele saquinho (pouquinho mesmo, menos da metade! Faço, pelo menos, umas 5 preparações com um saquinho só). Além disso, adicione outras ervas como manjericão, orégano, alecrim para dar sabor à sua comida e procure utilizar o alho na sua forma natural, fuja daqueles potinhos prontos, mesmo a versão sem sal costuma utilizar um conservante a base de sódio.

Outro ponto importante: o sódio não é encontrado apenas nos produtos salgados. Pó para gelatina, misturas para bolos prontos, sucos em pó, tortas doces congeladas, todos tem sódio.

Desta forma, se quer prevenir a Hipertensão, não basta diminuir o sal que você utiliza, mas tem que prestar (muita) atenção aos rótulos dos produtos industrializados.

A saber…

Hipertensão, ou pressão alta, é o aumento da pressão sanguínea. É uma doença silenciosa e muitos não sabem que a possuem ou não sabem dos problemas maiores que ela pode causar, levando à falta de tratamento e piora da saúde.  Algumas consequências do aumento da pressão arterial são: maior risco de acidente vascular encefálico, alteração no funcionamento dos rins (insuficiência renal) e insuficiência cardíaca. Entre os fatores de risco estão, além da predisposição genética, a obesidade e a ingestão de sódio.

Assim, estar no peso ideal e diminuir o consumo de sódio podem evitar que este problema faça parte de sua vida, mesmo que exista a genética da família!

Para saber mais:

VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão

*Texto de autoria própria. Caso o reproduza por completo ou em partes coloque os créditos e me informe.

Leia também: A ilusão do “Zero” ; Entendendo o rótulo dos alimentos

26/04/2012 at 1:23 pm Deixe um comentário

A ilusão do “Zero”

Uma rápida visita ao supermercado e lá estão centenas de opções de alimentos com o “zero” bem destacado no rótulo.  São os “zero calorias”, “zero gorduras”,  “zero gordura trans”, “zero açúcar”, “zero sódio” e os “zero colesterol”.

Sem dúvida, os produtos “zeros” são altamente atrativos para pessoas que estão em busca de uma alimentação mais saudável ou querendo perder peso. Entretanto, se atentar somente ao “zero” pode significar prejuízo à saúde.

A Rotulagem Nutricional é regulamentada pela ANVISA, onde a RDC 360/2003 e a Portaria 27/1998 especificam as características dos alimentos que podem ser considerados “zero” e os valores estão relacionados a uma porção do alimento. Assim tem-se:

“Zero calorias”: todo produto que tem até 4 kcal;

“Zero gorduras”: o produto não pode ultrapassar  0,5g de gorduras, isso inclui as saturadas, as trans e totais;

“Zero gordura trans”: aqueles que possuem no máximo 0,2g de gordura trans;

“Zero açúcar”: os que possuem, no máximo, 0,5g de açúcar. Não se deve confundir com  “sem adição de açúcares”, pois estes podem não ter açúcar adicionado, mas os ingredientes que foram utilizados para fazer o produto final podem possuir açúcar naturalmente, como as frutas por exemplo;

“Zero sódio”: aqueles que possuem até 5 mg de sódio,  o que não significa que um produto sem adição de sal esteja isento de sódio;

“Zero colesterol”: a este deve ser dada ainda maior atenção ao rótulo. Para entrar no quesito “não contém”, os produtos devem ter no máximo 5 mg de colesterol e também apenas 1,5g de gorduras saturadas, em sólidos, e 0,75g em líquidos, sendo que as gorduras saturadas não podem ultrapassar 10% do valor energético total.

Nem tão “zero” assim…

Um erro muito comum é a pessoa acreditar que, por ser zero, o alimento pode ser consumido a vontade, porém a Tabela Nutricional diz respeito à uma porção do alimento, assim esses produtos podem ser zero apenas na porção indicada na tabela. Por isso, é importante prestar atenção ao tamanho da porção, ou o “zero” pode se transformar em 100 rapidamente. Um exemplo simples: um potinho de pastilhas (16g) possui 2 kcal por porção ( 1 pastilha de 0,5g). Se todas as pastilhas forem consumidas em um único dia, serão 64 kcal!

Além disso, os alimentos industrializados geralmente vêm adicionados de conservantes, aromas e corantes artificiais. Assim, o alto consumo desses produtos pode trazer problemas de saúde.

Entre os conservantes, está o sódio, cujo alto consumo pode levar à hipertensão arterial e há também o nitrito e nitrato, os quais o consumo frequente pode levar ao aparecimento de câncer. Entre os corantes, o amarelo tartrazina é altamente alergênico, inclusive seu uso é proibido na Europa.

Quando optar por um alimento “zero”, não se prenda somente às calorias e gorduras. Se você busca uma alimentação saudável, procure consumir frutas, verduras e legumes “in natura”, sucos de frutas feitos na hora, sem adição de açúcar/ adoçante. E, se quiser um produto realmente “zero”, lembre-se da água, ela é essencial em qualquer dieta saudável.

Referências Consultadas:

Resolução – RDC nº 360, de 23 de dezembro de 2003

Portaria nº 27, de 13 de janeiro de 1998.

*Texto de autoria própria. Caso o reproduza por completo ou em partes coloque os créditos e me informe.

Leia também: “Entendendo o Rótulo dos Alimentos” e ” Melhorando as escolhas na hora de hidratar-se”

19/03/2012 at 6:28 pm Deixe um comentário


Tópicos recentes

Calendário

junho 2017
S T Q Q S S D
« jan    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Acessos

  • 38,966 hits

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.


%d blogueiros gostam disto: